imposto-de-viagem-internacional-voce-sabe-o-que-e.jpeg

Imposto de viagem internacional: você sabe o que é?

Você vai viajar para fora do país e está preocupado com o imposto de viagem internacional? Pois é! Desde o início de 2016, essa taxa vem tornando as viagens para o exterior um pouco mais caras. Este tributo é cobrado do Imposto de Renda (IR) sobre remessas para fora do país.

No início, o imposto era de 25%. Porém, meses depois, houve um acordo com o governo brasileiro e a decisão foi baixar a alíquota para 6,38%. Mesmo com a redução, é necessário ter atenção à inserção desse gasto no custo da viagem.

Para que você entenda melhor o que é essa taxa, como ela é cobrada, quando é preciso e quando não é necessário pagá-la, confira estas informações:

Como funciona o imposto de viagem internacional?

Para você, o novo imposto de viagem internacional vai surtir diferença no momento de fechar um pacote, contratar um passeio, reservar a hospedagem etc. Isso porque a taxa será inserida no valor cobrado pelos prestadores de serviços, como as agências de viagens, que terão que adequar os seus pacotes com o novo valor.

Sendo assim, se você está acostumado a viajar para o exterior, leve em consideração que qualquer valor que seja cobrado no Brasil para custear viagens, passeios e gastos turísticos terão 6% de acréscimo no valor total.

Quem paga o imposto de viagem internacional?

No final das contas, quem paga é você — por meio de agências de viagens, que contam com fornecedores de serviços internacionais para formar um preço total de pacote. O que eles fazem, na verdade, é repassar esse custo de 6% para o valor final que é cobrado da sua viagem.

A quem não cabe esse imposto?

Como o imposto de viagem internacional serve, basicamente, para fins turísticos, pessoas que vão para outro país para estudar ou fazer tratamentos médicos, por exemplo, não pagam por ele. Sendo assim, o valor de 6% não será repassado no momento da compra.

E quem não paga o imposto de viagem internacional?

Como esse imposto é brasileiro e é cobrado por meio de agências de turismo ou de empresas que intermedeiam as viagens ao exterior, se você fizer a compra diretamente nos fornecedores estrangeiros (por exemplo: no site do próprio hotel ou da própria locadora de veículos), não terá que pagar esses 6% do imposto de viagem internacional.

Se você optar por, por exemplo, pagar as diárias do hotel em dinheiro no momento do check-out no próprio país de destino, também não haverá a cobrança do tributo.

Viu só? Essa taxa pode tornar as suas viagens um pouco mais caras, mas você também pode tomar algumas atitudes para evitá-las e poupar gastos.

Agora que você já conhece o imposto de viagem internacional e sabe quando terá que pagar ou não por ele, está na hora de escolher o país de destino e de preparar as suas malas.

Aproveite a visita em nosso para conferir este post sobre a melhor forma de levar dinheiro para o exterior e deixe a sua casa preparado!

  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This